Sociedade Brasileira de Biotecnologia - SBBiotec
SRTVS, Quadra 701, Conj. E, Edifício Palácio do Rádio II, Bloco 2/4, Sala 506, Asa Sul - Brasília/DF
CEP: 70340-000
Telefone: (61)3223-0845 / 3039-3103
E-mail: sbbiotec@sbbiotec.org.br

Segunda a Sexta - das 08h às 18h - Intervalo de 12h às14h

  • Facebook - White Circle
  • LinkedIn - White Circle

Copyright © 2017 SBBiotec. Todos os direitos reservados.

Controle de psilídeo deve ser intensificado no período de chuvas

Chuvas frequentes como as que ocorreram em janeiro, com média de distribuição em 23 dias do mês, tornam necessária a intensificação do controle de psilídeo Diaphorina citri, inseto transmissor de HLB (huanglongbing/greening), pois colaboram com a ocorrência de um pico no surgimento de brotações nos pomares. Essa fase de desenvolvimento das plantas é a preferida do inseto para se alimentar e reproduzir, o que impacta em maior infestação e contaminação nos pomares.

Em janeiro choveu em média 306 milímetros em todo o parque citrícola de São Paulo e Minas Gerais, 28% a mais do que a média histórica que é de 239 milímetros, de acordo com informações da Somar

Meteorologia. Nesse mesmo período, o Alerta Fitossanitário do Fundecitrus, que monitora o índice de presença do inseto em nove regiões do parque citrícola, apontou a presença de ao menos um psilídeo para cada 10 armadilhas monitoradas pelo sistema e 27% das plantas estão com brotos novos.  

De acordo com o pesquisador do Fundecitrus Renato Bassanezi, os citricultores precisam estar atentos à presença de brotos e de psilídeos no pomar. “O momento é propício para que o psilídeo se multiplique e transmita a bactéria para as plantas, por isso é necessário intensificar o controle”, diz.

Um dos agravantes para essa situação é a diminuição do período residual das pulverizações. Resultados inicias de um estudo do Fundecitrus que está em desenvolvimento apontaram que chuvas a partir de cinco milímetros já afetam a eficiência das aplicações para o controle do inseto.  

“A ocorrência de chuvas todos os dias dificulta a aplicação, tanto no aspecto operacional quanto no efeito, pois lava os produtos. O indicado é que sejam feitas reaplicações logo após um período de chuvas seguidas para não deixar as plantas desprotegidas e assim diminuir as chances de infecção”, afirma o pesquisador do Fundecitrus Marcelo Miranda.

Devido à essa situação e aos dados do Alerta Fitossanitário, o Fundecitrus emitiu alertas de pulverizações conjuntas de 6 a 13 de fevereiro para os citricultores que participam do sistema em todas as regiões monitoradas, com o objetivo de aumentar a eficiência das aplicações e diminuir a incidência do inseto nos pomares.  Para mais informações acesse: www.fundecitrus.com.br/alerta-fitossanitario